top1comtitulo

sexta-feira, Abril 08, 2005

Ti Lobo e Ti Pedro - Santo Antão

Narrador: - Estóra, estóra?
Coro: - Fertuma de cê, améne!

Era um vez Tipêde i Tilôbe. Tipêde ta estóde sempre guardin i Tipêde mâgrin fête um cóbe de linha. Um dia Tilôbe ba ter c'Tipêde i eldez'el:
- A Tilpêde, mode quem que bô t'estóde sempre güidin i mim sempe meiguin, sem foiça pe levantá nem um ingánha de mi?
- Tilôbe, mi-ne de d'zêbe nhe sêgrêde i pêquê bô ê multe golôse i despôs bá te çodá ne c'mida, bô en'de q're mâs v'rá pá casa. Bô êf'ladôr, bô te p'tá sêgrede na pd'aça i ês te p'tá gente mõ derriba.
- Ah! Tirpêde! em'te juióbe pe tude q'ónde ê mâs saguiode que mi-ne de d'zê nem um csutchútche; q'onde bô otchá de juste, em'te laigá tudei em'te bem ma bô pe nhe câstilín.
- Sende assim menhá céde, ne premêr cantalr de góle, bô espêré-me debóxe d'equêl pê de f'guêra, lá ne péda lája. Notrum dia, assim que góle dá premer poise, ês dôs incontrá confóme és tinha c'menóde. Tipêde incostá mõ nequêl pê de f'guêra i el dzê:
- Ô f'gurlnha mánsa: lajá, lajá, bô txôns sebi!
Ei cabá de d'zê, quel pê de f'guêra bêm te lajá tê sentá na tchõ. Es sebi n'êl i ês sentá te c'mê figue. Q'ónde Tipêde fartá el v'rá peTilôbe:
- Tilôbe, nô bâ 'mbora pequê de-qui-a-nada sól te necê i nô te f'ca implotóde. Esse f'guixinha ê duns incantóde!
- Tilpêde, inda mí-ne c'mê pâ mim, q' ónte mâs pe nhe miê M'engonçói i inhes fi! Dêi mi-ne dê sei inq'ónte mi-ne t'rá bêiga de m'sêia.
Gueínha' sim nô tchegá.
- P'rísse que mi ne q'ria trezê oo pequê bô ê lionóde, incartóde nu alhei, i n'hóra de v'rá pa casa ninguêm te rancóbe de legar. T'mácuidóde bo-ne diêtá, que êsse f'guirinha ê incantóde. Se bô d'zêl tip-tip el te sebi tê na cé. Tipêde intchê um sóc de figue i el bé sê camin entes de sôl nêcê.Tilôbe fancá te c'mê tê q'onde sol panh'él. Já'l tava que bondôga estancóde fête um tombôr. Entõ el v'rá ôie p'ô tchõ i el tive méde dequel altura; c'mê el' esquecê, invês d'el d'zê f'guirinha pet'chêsse, el c'rengaiá na línga:
- F'guirinha, tip-tip t'xé-me t'chê! El cabá de d'zê tip-tip, qu'el f'guirinha pô te sebi tê antrá na núive. Tilôbe quezilhá de sê vida i el pô t'escompô quel f'guirinha, sempe te d'zê:
- Tip-tip, bô t'xé-me t'chê!, tip-tip, bô t'xé-met'chê!, tê que'l tchegá na cé. Q'ónde l'ioá Nessenhor el pô te tchorá:
- Nessenhor, cê peidué-me, cê mandé-me ôte vez pâ téia, pe dejunte de nhe miê i nhes fi!Nessenhor tive pêna d'êl. Ei ranjá um pilinha de cabrite i el mandá Tilôbe bâ lâv'el ne r'bêra, qu'era p'el fêzesse um tâmburin. Q'ondeTilôbe fastá um pad'óce, el c'mê quel pilinha i el bem d'zê Nessenhor q'ága lêvél'êl de mõ. Nessenhor torná dé-l ôte pilinha, ma el mandá um ánje bâ pe servisse de guarda.Q'ónde Tilôbe pô quel pilinha na bóca, quel onje fêzê'l:
- Pssiu! Tilôbe, p'esfarçá v'rá pâ el:
- A huême, em'ti te tma'i soibe, onje du dióbe! Assim, l'ene pude c'mê quel pilinha e Nessenhor fêzê'l um tâmborín, el marré'l um blina nâcinta i el d'zê':
- Tilôbe, t'má sintide, em'ti tâ bem mandó-be pâ terra; bô tâ dá três pancada nesse tâmborín só q' ónde bô pô pê nâ tchõ. Se bô tocá n'êlantes de tchegá lá debóxe, em'te largá córda i bô te debangá dum vêz.
- Nessenhor, cê'stóde descansóde que mi-ne d'inganá ocê. Em'ta dá nha paiáva de 'êi. Assim Nessenhor bâ te folgâ'l corda devegarin tê q'ônde Tilôbe, já ne mêi de camin, otchá uns freminga num festa de c'sêmente :
- Ô! nhes freminguinha, cês déme um esmóia de c'mida qu'eme ti tâ bem de cé c'um fôme ne nhe bêíga.
- Tilôbe, gente tâ dóbe c'mida de munde, se bô tocá nesse tâmburín, nem que fôr um sô pencadinha que seja.
- Ufúh! Déi te íve! Nessenhôr d'zê-me pe mi-ne tocá n'êi, sô q'ónda em'pôsse pê na téia!
- Tilôbe, Nessenhor te mute longe, lá na cé l'en'de uvi nem um só pencadinha que seja. Oiá tónte c'mida pâ bô!
Dexôns tocá um c'sinha, bô te c'mê tê storá bêrriga!
Tilôbe desesperá de sê vida, ôie grili'l naquês fersula de cârre.
Tinha uns tchuríce de tripa de polpa tchô de sengue bem temperóde.
Tinha cuscuz torróde, lête i açucra; tinha uns gamela de fejõ ervia tenadá na cârre de tchúc; tinha canja de galinha c'arrôz i nhéme nove; tinha tude casta de c'mida sâbe, p'el c'messe s'el d'xésse quês freminga d'ása tocâsse nequêl tamburín. Era um intintaçõ!
Pur fim Tilôbe d'cidí. El mandá p'tá c'mida na mésa i el sentá te cmê fête um desesperóde. Q'ónde l'ene pude mâs pequê se estâme ja tat'arfá, el largá mesa, el fâzê senal da cruz i el reb'cá pancada naquêl tamburim pe quês freminga baêsse Sõ Jõ. Tude gente pô tecolá-na-pic.
Nessenhor cabá d'uví pancada de tambôr el largá corda de mõ i Tilôbe rev'rá de cabeça p'abóxe, merguióde na nuiva. El bem te debangá, bem te debangá, tê q'ónde el tchegá perte de terra el oá quel péda lája aonde l'incontrá ma Tipêde, el d'zê:
- Fásta, fásta pidinha iája!, ê dá na bô, dá f'zê feínha!

Narrador – Agora: quem qué mas grande te bâ panhá, quem qu'ê mâs peq'nin te bá cercá.


Luís Romano publicou este conto em Renascença de uma civilização no Atlântico Médio.


Este conto foi-me enviado por Rui, que fez uma interessante reflexão sobre o mesmo em Aulil, a qual vos recomendo!

Gostei imenso desta versão da história do Ti Lobo, pois neste registo gráfico faz-se uma forte aproximação fonética ao crioulo de Santo Antão, e como lá trabalhei uns anos recordo esse falar com bastante agrado. Achei também imensa piada às formiguinhas a dançar o colá sanjon! Ê ke sabi! É na inclusão destes pequenos detalhes étnicos que se enriquece a estória, fazendo dela algo de único, fruto do saber de cada contador e de cada comunidade.